sportingbet

sportingbet - Usiminas (USIM5) cortada pelo BBI, Soma (SOMA3) é compra para o Goldman e mais recomendações que movimentam o mercado

Isa CTEEP e Alupar foram rebaixadas para neutro pelo Morgan Stanley, enquanto Enjoei e GetNinjas foram cortadas pelo JPMorgan

Felipe Moreira

Mercado de ações (Foto: Getty Images)

Publicidade

As recomendações seguem movimentando o mercado de ações na sessão desta terça-feira (27).

O Goldman Sachs iniciou a cobertura das ações do Grupo Soma (SOMA3), um dos principais grupos de moda no Brasil, com recomendação de compra e um potencial de valorização de 38% em relação ao preço-alvo de R$ 16,30 para os próximos 12 meses. As ações chegaram a subir mais de 4%, mas depois amenizaram e passaram a operar com leves perdas.

Já entre as reduções de recomendação, GetNinjas (NINJ3) e Enjoei (ENJU3) veem as ações caírem cerca de 4,5% após serem cortadas para neutro pelo JPMorgan.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Enquanto isso, Usiminas (USIM5) destoa do setor e opera em leve queda de cerca de 0,5% após ter recomendação cortada pelo Bradesco BBI.

Outras recomendações também estão no radar, como os preços-alvo de Sabesp (SBSP3) e Copasa (CSMG3) sendo elevados pelo Citi, XP revisando Viveo (VVEO3) e UBS BB elevando preço-alvo para Vivo (VIVT3). Já o JPMorgan cortou recomendação de elétricas.

Confira os destaques de recomendação desta terça-feira (27):

Continua depois da publicidade

Grupo Soma (SOMA3)

O Goldman Sachs iniciou a cobertura das ações do Grupo Soma, um dos principais grupos de moda no Brasil, com recomendação de compra e um potencial de valorização de 38% em relação ao preço-alvo de R$ 16,30 para os próximos 12 meses.

Para o Goldman Sachs, a abordagem multicanal e multi-marca da empresa, combinada com o foco nas classes de renda mais alta, deve proteger seu crescimento relativamente melhor dos ciclos macroeconômicos em comparação com outros nomes de consumo discricionário no Brasil.

“Além disso, a reestruturação em curso da operação da Hering oferece uma alavanca adicional de crescimento do EBIT (Lucro antes de juros e impostos), à medida que a gestão aproveita oportunidades para reconstruir a presença no atacado e revitalizar a presença no varejo por meio de melhorias nas lojas”, completam analistas.

Usiminas (USIM5)

O Bradesco BBI reduziu a recomendação para as ações da Usiminas de outperform (desempenho acima da média do mercado) para marketperform (desempenho em linha com a média do mercado), mantendo o preço-alvo em R$ 8,30, ou um potencial de valorização de 14% em relação ao fechamento da véspera.

“Acreditamos que os desafios de curto prazo, como possíveis descontos no preço do aço no mercado doméstico e a pressão contínua de custo/margem, provavelmente pesarão sobre as ações da Usiminas”, avaliam os analistas.

Além disso, a alocação de capital continua sendo uma preocupação – falta visibilidade sobre o cronograma e o tamanho de novos projetos (mineração, reformas adicionais do alto-forno e investimento ambiental) e poucas esperanças de dividendos consideráveis no curto/médio prazo aumentam a pressão sobre as ações, destacam.

As estimativas de lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla de inglês) de R$ 2,5 bilhões e R$ 3,4 bilhões para 2023 e 2024, respectivamente, estão agora 13% e 8% abaixo do consenso de mercado.

“De acordo com nossas novas estimativas, a ação é negociada a 4,3 vezes  o múltiplo EV/Ebitda [sendo EV = soma do valor de mercado das ações de uma companhia com a dívida líquida] para 2023, dentro de níveis justos neste momento”, apontam. A principal recomendação do BBI no setor de Siderurgia& Mineração continua sendo as ações da Gerdau (GGBR4), seguida pela Vale (VALE3) e CSN Mineração (CMIN3), todas com recomendação equivalente à compra.

Sabesp (SBSP3) e Copasa (CSMG3)

O Citi mantém recomendação de compra para Sabesp (SBSP3) e elevou preço-alvo de R$ 72 para R$ 73, devido à perspectiva de que a empresa possa enfrentar eventos relevantes no futuro que possam desencadear uma alta das ações.

Primeiro catalisador, a International Finance Corporation (IFC), agência vinculada ao Banco Mundial, deve apresentar sua opinião formal sobre o processo ideal de privatização da Sabesp até meados de julho. “Esse é um passo importante, já que o relatório da empresa de consultoria representa a aprovação necessária para o estado iniciar as negociações com os municípios sobre acordos formais (alterações contratuais) para a privatização”, explicam analistas.

Segundo catalisador, com o relatório em mãos, eles avaliam esperar que o estado de São Paulo se concentre, inicialmente, nos municípios maiores. Um eventual acordo, por exemplo, com a cidade de São Paulo, representaria quase metade da receita atual da Sabesp. A adesão do município também poderia incentivar cidades vizinhas a aderirem. A combinação da IFC com acordos antecipados com concessões importantes poderia aumentar as esperanças de que a privatização seja concluída em 2024. Em nossa opinião, os investidores atribuem uma probabilidade muito baixa para que isso aconteça em 2024.

Com o anúncio do programa de demissão voluntária (que está aberto até o final de junho), o banco espera ter uma melhor compreensão de quanto (e quão rapidamente) a empresa poderá economizar em despesas.

Para a Copasa, estatal de saneamento de Minas Gerais, o Citi manteve recomendação neutra, mas elevou preço-alvo de 17 para R$ 22, em função da empresa ter superado as do banco em economias de despesas operacionais. “O modelo não assume que a empresa será privatizada. Caso isso ocorra, acreditamos que o potencial de valorização seria maior”, explicam analistas.

O banco elevou as projeções de Ebitda da Copasa para 2023, 2024 e 2025 em 17%, 12% e 10%, respectivamente.

No caso de a empresa ser privatizada, o Citi antecipa um potencial adicional de valorização em relação ao seu modelo. Se a empresa for negociada a 1 vez o EV/RAB (o RAB equivale à base regulatória dos ativos), isso equivaleria a cerca de R$ 25 por ação. Considerando que a empresa reduza ainda mais os custos, o banco estima que o valor justo poderia ser ainda maior. As iniciativas de redução de custos da empresa foram bem-sucedidas no trimestre mais recente, e eles acreditam que a reação do mercado às ações foi justificada.

Taesa (TAEE11), Isa CTEEP (TRPL4) e Alupar (ALUP11)

Com a proximidade do próximo leilão de transmissão da Aneel, previsto para a próxima sexta-feira (30), o Morgan Stanley atualizou suas recomendações para transmissoras sob sua cobertura.

O banco americano rebaixou a classificação de Isa CTEEP e Alupar de overweight para neutra, pois vê uma relação risco-recompensa pouco atraente após desempenho sólido de ambos os papéis.

Além disso, olhando para frente, a expectativa de alta competição nos próximos leilões de transmissão pode limitar a criação de valor, tornando-se eventos potencialmente neutros ou negativos para ações de empresas de transmissão.

O Morgan Stanley também vê desempenho limitado para os papéis da Taesa (TAEE11) e reduz preço-alvo de R$ 35 para R$ 34.

Enjoei (ENJU3) e GetNinjas (NINJ3)

O JPMorgan, por sua vez, rebaixou a recomendação para ações da Enjoei e da GetNinjas para neutro e removeu preço-alvo de dezembro de 2023 para a GetNinjas.

Segundo o banco, ambas as empresas devem continuar apresentando Ebitda negativo em 2023, ao mesmo tempo em que demonstram crescimento fraco, mantendo o controle do consumo de caixa.

Como resultado, embora ambas as empresas negociem abaixo de suas posições de caixa líquido (R$ 1,5 por ação para a Enjoei e R$ 5,3 por ação para a GetNinjas), fato conhecido pelo mercado há algum tempo, analistas não veem um catalisador nos próximos 6-12 meses que possa impulsionar uma valorização significativa das ações.

Yduqs (YDUQ3)

O Credit Suisse elevou preço-alvo para ações da Yduqs de R$ 10 para R$ 21, mas manteve recomendação neutra, pois permanece cauteloso com a dinâmica de evasão futura e não prevê nenhum gatilho operacional provável, apesar do potencial de alta de cerca de 20% em 12 meses (parcialmente explicado pelo desempenho negativo dos últimos 2 pregões).

“Os principais riscos negativos para rating neutro são: (i) persistência de taxas de juros ainda altas; (ii) aumento dos níveis de evasão, (iii) competição mais acirrada, o que pode dificultar o ajuste dos tickets e (iv) volatilidade da ação. O principal risco de alta é um aumento no alcance do FIES a partir de 2024, não contabilizado em nossos números e improvável”, destaca o banco.

Viveo (VVEO3)

A XP Investimentos atualizou suas estimativas para a Viveo (VVEO3) e aumentou o preço-alvo para R$ 28,60 para o final de 2023 enquanto manteve a recomendação de compra.

O time de análise da corretora vê a Viveo continuando a ser uma das melhores combinações de crescimento de receita de dois dígitos com expansão de lucratividade. “Além disso, existem opcionalidades positivas, uma vez que a empresa pode continuar explorando novos negócios e consolidando a indústria”, desta relatório.

Em termos de avaliação, a XP considera que a ação está sendo negociada abaixo de seu múltiplo justo e por isso mantém sua visão positiva em relação à ação e a considera umas de suas principais preferências dentro do setor de saúde.

Vivo (VIVT3)

Os analistas do UBS BB elevaram o preço-alvo para as ações VIVT3 em 6%, de R$ 48 para R$ 51, e reiteraram recomendação de compra.

A recomendação é baseada em dois pilares principais: 1) melhor geração de fluxo de caixa devido à menor relação capex/vendas e margem estável, suportando um atual rendimento de fluxo de caixa livre (FCF Yield) atrativo de 9,6% esperado para 2024); 2) melhores estimativas de ganhos devido a menores despesas administrativas e sólidas operações em todas as unidades.

“Acreditamos que ambos os fatores podem abrir caminho para melhores distribuições de dividendos no futuro, com um dividend yield [dividendo sobre o preço da ação] de aproximadamente 6% no curto prazo prazo, expandindo ainda mais para 7% em 2025 e mais de 8% em 2026″, apontam.

Rumo (RAIL3)

O Santander destacou em relatório ver a Rumo como um dos seus três principais investimentos preferidos em sua cobertura de Transporte e Bens de Capital no Brasil, mesmo após o rali de 17% no acumulado do ano (versus alta de 8% do Ibovespa), destacando que os problemas operacionais ficaram para trás. A recomendação é outperform, com preço-alvo para 2024 é de R$ 32 para a ação, ante preço-alvo de R$ 27 para 2023 anteriormente.

O banco vê oferta favorável em relação à demanda nos próximos cinco a dez anos, com os projetos de logística de grãos anunciados em Mato Grosso (MT) abordando apenas cerca de  70% das exportações incrementais, o que poderia suportar uma expansão adicional de preços e levar a revisões de ganhos em 2024- 2025.

O banco vê um forte crescimento do Ebitda, com projeção de taxa de crescimento anual composta (CAGR) do indicador de 17% entre 2023 e 2030. Também vê o projeto ferroviário de VLT conferindo poder de precificação e competitividade à malha da Rumo. O banco também aponta um valuation atrativo para a ação.

B3 (B3SA3)

O Itaú BBA reiterou recomendação de compra para a B3, com preço-alvo de R$ 17 ao fim de 2023, e espera uma reavaliação do múltiplo preço em relação ao lucro (P/L) para 17 vezes em 2024, de 14 vezes.

“Estamos progressivamente otimistas em relação à B3. Além de volumes mais altos, começamos a ver otimismo em relação ao nível médio das margens de negociação cobradas. Assim, não temos mais resistências em estimar uma média diária de volume de negociação (ADTV) de R$ 33 bilhões para 2024 e perpetuar velocidades de rotatividade de 160%-170%. Com o aumento dos volumes, esperamos que a necessidade de HFTs (negociadores de alta frequência) agirem como formadores de mercado diminua”, avalia.

Portanto, assume que a B3 reduzirá os benefícios que oferece à medida que os volumes aumentem naturalmente. “Neste cenário, as receitas provavelmente receberiam um impulso adicional de preços mais altos através de um mix de volume favorável. Optamos, porém, por não alterar as estimativas para a companhia, mas gostaríamos de pavimentar o caminho para discussões à medida que nos aproximamos dos resultados do segundo trimestre”, aponta o banco.

sportingbet Mapa do site