sportingbet

sportingbet - Ministério da Fazenda divulga sua visão sobre renovação de distribuidoras – e traz sinalizações distintas para mercado

Analistas veem posição sobre capturar "excedente econômico" das concessões como positiva, mas destaca incerteza sobre incentivos fiscais

Equipe sportingbet

Publicidade

O noticiário sobre a renovação das concessões de distribuidoras de energia segue no radar dos investidores.

Na véspera, a Secretaria de Reformas Econômicas do Ministério da Fazenda publicou um parecer expressando sua perspectiva sobre o tema.

Conforme aponta Maíra Maldonado, analista da XP do setor de energia, o parecer serve como um insumo para o processo de tomada de decisão. Foi defendido que as iniciativas para aplicar regras mais rigorosas com relação à qualidade dos serviços e ao equilíbrio financeiro nas concessões sejam incentivadas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Cabe ressaltar que, no fim de junho, o Ministério da Energia (MME) divulgou a aguardada nota técnica detalhando os prazos de renovação da concessão das distribuidoras, em que falou sobre (i) capturar ganhos de eficiência das distribuidoras, apurando eventuais “excedentes econômicos” (ii) mudar a indexação dos contratos do IGP-M para o IPCA  e (iii) capturar ganhos com renúncia fiscal de distribuidoras que operam em concessões com benefícios fiscais SUDAM/SUDENE.

Já na véspera, em relação ao excedente econômico, o documento do Ministério da Fazenda segue uma leitura semelhante de agentes do mercado, como a Abradee, a Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica.

O documento alega que algumas conclusões extraídas dos cálculos podem ser equivocadas devido a: i) janela temporal – o período escolhido pode mostrar um cenário diferente de todo o período de concessão; ii) dados históricos podem não ser um bom indicador para o futuro; iii) indicadores de referência – agregar dados de concessionárias em diferentes estágios de eficiência pode levar a leituras equivocadas sobre o excedente econômico, dependendo da ferramenta estatística utilizada.

Continua depois da publicidade

Sobre as contrapartidas sociais, o parecer não concorda que os recursos obtidos com essa discussão possam ser usados para reduzir as tarifas de apenas uma classe de consumidores (baixa renda/gastos sociais) e, em vez disso, devem beneficiar todos os consumidores.

Sobre a incorporação dos benefícios fiscais da SUDAM/SUDENE nas tarifas, o documento não apresenta claramente um ponto de vista (se deve ser incluído ou não) e repete a ideia de que qualquer recurso potencial deve ser usado para reduzir as tarifas de todos os clientes, e esse benefício não deve integrar o cálculo do excedente econômico.

“O parecer mostra uma visão madura de um participante relevante nessa discussão. Ao invés de defender uma visão mais populista, o Ministério da Fazenda escolhe um caminho mais equilibrado na discussão do excedente econômico”, aponta a analista.

Segundo Maíra, o parecer tem uma leitura positiva em relação ao excedente econômico, enquanto a leitura não é clara ao discutir os benefícios fiscais.

“Em suma, parece corroborar para que a decisão final seja não exigir outorga das distribuidoras pela renovação de suas concessões. Em vez disso, acreditamos que os contratos de concessão renovados aumentariam a capacidade da Aneel e do Ministério de Minas e Energia de serem mais criteriosos em questões de qualidade e equilíbrio econômico/financeiro e usarem regras mais próximas das aprovadas em 2015”, avalia.

Na mesma linha, o Credit Suisse viu como positivo os comentários sobre a metodologia de cálculo de eventuais excedentes econômicos, pois reforçam a qualidade da regulamentação atual no sentido de incentivar as distribuidoras a ganhos de eficiência e compartilhar esses ganhos com os consumidores finais por meio de redução tarifária a cada ciclo tarifário.

No entanto, vê a recomendação de capturar benefícios fiscais (que é atualmente usado para investimentos na região) na metodologia tarifária como negativa para distribuidoras expostas às regiões Norte/Nordeste, como por exemplo, Neoenergia (NEOE3), Equatorial (EQTL3) e Energisa (ENGI11).

“De qualquer maneira, aguardamos que o Ministério de Minas e Energia divulgue os termos finais das renovações das concessões de distribuição após recolher todas as contribuições dos interessados durante a audiência pública, prevista para setembro de 2023”, avalia.

sportingbet Mapa do site