sportingbet

sportingbet - As 4 ações do Ibovespa que caíram mais de 30% e as 5 ações que subiram mais de 3% no mês de fevereiro

Companhias alavancadas, como Azul e CVC, estiveram entre as maiores quedas; São Martinho teve ganhos, mas modestos, de 8,76%

Lara Rizério

Publicidade

O mês de fevereiro, apesar de mais curto, foi bastante intenso para o Ibovespa, com forte queda de 7,5% do índice em meio aos temores de alta de juros mais fortes nos EUA, mas também com investidores analisando o risco de crédito para outras companhias, em meio ao caso Americanas (AMER3).

Empresas alavancadas tiveram forte queda na Bolsa, caso de aéreas, enquanto poucas ações fecharam em alta, com destaque para São Martinho (SMTO3), com analistas vendo maior competitividade para o etanol com a reoneração maior sobre os combustíveis fósseis. Apenas 5 ações do índice subiram mais de 3%, enquanto 4 ativos caíram mais de 30%; o quinto lugar, as ações da Gol (GOLL4), tiveram queda de quase 28%.

Veja os destaques do Ibovespa no mês de fevereiro:

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Maiores quedas

Azul (AZUL4), Gol (GOLL4), CVC (CVCB3)

As ações de empresas alavancadas registraram um mês particularmente negativo na Bolsa brasileira.

O destaque de queda ficou com as ações da Azul (AZUL4) que, inclusive, teve o seu rating rebaixado neste mês pela Fitch Rating, assim como a Gol (GOLL4), que também figura entre as maiores baixas do mês. As ações da Azul caíram 39,83%, enquanto Gol teve baixa de 27,81%.

No último dia 10, a agência rebaixou o rating nacional da empresa aérea de B para CCC, próximo ao nível de calote. Já as notas de crédito das dívidas de longo prazo em moedas estrangeira e local foram cortadas de CCC+ para CCC-, assim como o rating das notas sem garantia da Azul Investments.

Continua depois da publicidade

Segundo a agência de rating, os rebaixamentos refletem “os altos riscos de refinanciamento da Azul, as pressões no fluxo de caixa operacional da companhia, a deterioração de sua liquidez, de acordo com a metodologia da Fitch, e as restrições mais acentuadas no mercado de crédito local, em função da inadimplência da Americanas S.A.”.

No mesmo dia, a Fitch rebaixou os IDRs em moeda estrangeira e local da Gol de B- para C, com perspectiva negativa. A agência também reduziu os ratings dos bonds sem garantia real da Gol Finance e o Rating Nacional de Longo Prazo para C.

“A mudança foi motivada pelo compromisso de financiamento feito pela Abra Group Limited (Abra), holding criada para controlar as operações da Gol e do Avianca Group International Limited (Avianca). A Fitch classifica o acordo como uma troca forçada de dívida (DDE). O refinanciamento proposto resultará em mudanças significativas nos termos de subordinação estrutural e no cancelamento de covenants para os detentores de bonds que não aceitarem a proposta”, apontou a agência.

Nesse cenário de fragilidade para as companhias, as ações do setor registram forte queda na Bolsa. A Genial Investimentos destacou que, apesar da recuperação da demanda, dólar e combustível em patamares elevados devem continuar pressionando os resultados das empresas, e, principalmente, dificultar seus pagamentos de leasings.

Tomando como base o release divulgado nos resultados do 3T22, os analistas da casa de research apontam que a Azul possui cerca de 2 anos de liquidez para seus arrendamentos e bonds emitidos. Para 2023, a companhia possui pouco mais de R$ 1 bilhão para ser amortizado, sendo esse montante dividido em: R$ 347, 247, 278 e 142 milhões entre o 1º e 4º trimestre de 2023.

Já a Gol possui obrigações somando cerca de R$ 750 milhões no ano corrente, sendo que metade desse valor (cerca de R$ 374 milhões) será pago em cada semestre do ano.

“Ainda temos os resultados do 4T22 a serem divulgados, e, com eles, dado a sazonalidade, esperamos que as companhias consigam certo fôlego, mas ainda assim longe do necessário para serem consideradas saudáveis”, avaliam.

Para a Azul, a Genial vê espaço para uma desalavancagem. “Porém, optamos por tomar uma postura mais conservadora do que a própria Companhia frente as premissas de demanda e tarifa para 2023. Esperamos que o processo de redução do endividamento aconteça de forma mais gradativa”, afirma. A casa tem recomendação de manter para a ação da Azul, com preço-alvo de R$ 15.

Para a Gol, a operação e a injeção de capital – com a reestruturação da dívida junto à Abra – devem ajudar a companhia a cumprir parte de suas obrigações nos próximos dois anos. “Contudo, o custo de dívida elevado aliado ao momento delicado da empresa e a incerteza sobre o setor ainda nos deixa com uma visão negativa para o papel”, avalia. A recomendação é de venda para os ativos, com preço alvo de R$ 5,40.

O JPMorgan também ressaltou em relatório da semana passada que as operadoras aéreas têm tido um desempenho muito ruim, em meio às preocupações com liquidez. “Em nossa opinião, a assimetria de risco-retorno tem melhorado,  mas o principal risco continua sendo o risco de liquidez, o que nos faz manter nossos ratings atuais apesar do potencial de valorização implícito. Reconhecemos que as empresas estão constantemente trabalhando e resoluções sobre essa frente podem nos tornar mais positivos”, afirmam. Os analistas têm recomendação underweight (exposição abaixo da média, equivalente à venda) para Gol e neutra para Azul.

Na mesma linha de preocupação com a liquidez, as ações da CVC (CVCB3) também registraram queda forte impactada pelo “caso Americanas”, que evidenciou a crise de crédito em outras empresas. Os papéis CVCB3 tiveram perdas de 32,67% no período.

No fim de janeiro, a companhia de turismo anunciou a contratação do banco BR Partners para “assessorar a companhia no reperfilamento de sua dívida a mercado”.

O comunicado tratava especificamente de três séries de debêntures da CVC: as duas da quarta emissão (CVCB14 e CVCB24) e a quinta emissão (CVCB15).

No início deste mês, a companhia informou que suas reservas confirmadas no quarto trimestre cresceram 14% ante mesma etapa de 2021, a R$ 3,46 bilhões, segundo prévia operacional não auditada. Já as reservas consumidas evoluíram 7% também na comparação anual, para R$ 3,69 bilhões. Em janeiro de 2023, as reservas confirmadas da companhia atingiram cerca de R$ 1,35 bilhão, crescimento de 90% frente a janeiro de 2022.

Na ocasião, o JPMorgan, com recomendação neutra para os ativos, destacou acreditar que o mercado está mais focado na situação de alavancagem da CVC, citando justamente a reperfilação da sua dívida.

Yduqs (YDUQ3): queda de 32,67%

As educacionais também são pressionadas pela alavancagem e tiveram um mês negativo na Bolsa, com destaque para a queda das ações da Yduqs, com os investidores também à espera de mais definições sobre o Fies.

No radar da companhia, ela anunciou em meados do mês a unificação de unidades de negócio digital e presencial sob mesma diretoria e divulgará no próximo dia 15 de março seus resultados do quarto trimestre de 2022.

Na avaliação do Itaú BBA, os resultados da Yduqs devem continuar sendo ajudados pela performance do segmento premium em 2023, com crescimento de receita em vista da maturação de vagas de medicina e ajustes de preço. Mesmo com um ambiente ainda desfavorável, esperam algum crescimento da base de estudantes de ensino presencial, apesar do reajuste de preço provavelmente ser limitado. No EAD, projetam maior captação e base de estudantes.

Olhando para 2023, o BTG Pactual destacou ter saído de conferência com executivos da empresa no fim desse mês com uma visão não muito otimista.

“A Yduqs reforçou que as perspectivas para 2023 continuam desafiadoras, indicando um ciclo de admissão sem intercorrências, com crescimento dois dígitos baixos da captação e tíquete médio pressionado para o negócio EAD, juntamente com admissão e preços estáveis nos cursos presenciais”, apontaram. Os analistas da casa seguem com recomendação neutra devido ao momento fraco de resultados e às perspectivas de recuperação incertas para a Yduqs.

Alpargatas (ALPA4): baixa no mês de 30,71%

Os resultados nada positivos da Alpargatas do quarto trimestre chancelaram as ações da companhia para o ranking das maiores quedas de fevereiro. Apenas no dia 10, sessão pós-resultado do quarto trimestre, as ações desabaram 18,68%, após chegarem a cair mais de 20% no intraday.

A empresa divulgou prejuízo líquido de R$ 21 milhões para o quarto trimestre de 2022, após lucro de R$ 303,1 milhões um ano antes. A base, no entanto, é pouco comparável, diante de efeitos extraordinários, como compra de fatia na norte-americana Rothy’s e a venda da Osklen, ambas anunciadas no final de 2021.

Analistas do JPMorgan disseram que os resultados vieram “materialmente abaixo das expectativas”, prejudicados por fracos volumes no Brasil, o que levou a menor alavancagem operacional, e perdas extraordinárias relacionadas à provisão de estoques. Além disso, citou custos de reestruturação, em especial nas operações internacionais.

“Ainda assim, acreditamos que o quarto trimestre não trouxe à tona nenhum problema estrutural para dar baixa no caso após uma série de resultados decepcionantes”, escreveram analistas liderados por Joseph Giordano em relatório a clientes. O banco tem recomendação “overweight” (desempenho acima da média, equivalente à compra) para a ação.

A equipe da XP viu “resultados fracos” no trimestre, abaixo de suas estimativas “que já eram conservadoras”. “Embora a companhia tenha divulgado algumas iniciativas para enfrentar os desafios operacionais e macroeconômicos, os efeitos positivos mais materiais devem ser vistos somente a partir do segundo trimestre”. A XP tem recomendação “neutra”.

Confira as maiores baixas do Ibovespa em fevereiro:

EmpresaTickerPreçoVariação percentual
AzulAZUL4R$ 7,13-39,83%
CVCCVCB3R$ 3,03-32,67%
YduqsYDUQ3R$ 7,05-31,75%
AlpargatasALPA4R$ 9,43-30,71%
GolGOLL4R$ 5,53-27,81%

Maiores altas

São Martinho (SMTO3): destaque do mês, mas com modesta alta de 8,76%

Entre as poucas altas do índice no mês, o destaque ficou com a São Martinho, com as notícias sobre reoneração dos combustíveis (maior para a gasolina do que para o álcool) no radar, apesar de haver incertezas sobre possíveis subsídios para conter os preços da gasolina que tornariam o etanol menos competitivo.

No fim do mês, o Santander reiterou a ação da São Martinho como top pick do setor, destacando que “a produtividade é o nome do jogo”.

“A empresa continua sendo um dos produtores de açúcar e etanol mais eficientes em todo o mundo e está programada para se beneficiar de uma combinação de maior produtividade e, portanto, volumes, fatores que acreditam que, quando combinados com os custos mais estáveis, devem impulsionar a geração de fluxo de caixa livre mais alta.

Os analistas do BTG também têm expectativa positiva para São Martinho (assim como para a Raízen RAIZ4), apontando que o setor está preparado para viver tempos mais fortes pela frente.

O evento do imposto de combustível é visto por eles como o primeiro gatilho potencial, mas que deve ser seguido por (i) forte alavancagem operacional liderada pela melhoria da produtividade da cana-de-açúcar na próxima safra 2023/24, impulsionada por níveis de chuvas de verão muito mais favoráveis; (ii) fortes perspectivas de preço do açúcar a longo prazo, uma vez que a Índia desvia a produção do açúcar para produzir mais etanol; (iii) uma visão positiva de médio prazo sobre o petróleo; e (iv) valuations que agora estão próximos das mínimas históricas, afirmam.

Multiplan (MULT3): avanço de 5,80%

Os resultados da Multiplan do 4T22 também levaram a uma resiliência para os ativos da operadora de shopping center.

Para XP, os “resultados foram excelentes”, impulsionados pelo crescimento do aluguel nas mesmas lojas (SSR, na sigla em inglês) mais forte do que o esperado, representando um crescimento real de 2,0% na base anual e de 20,1% em 2022 (versus 2021).

O Credit Suisse destacou que o forte crescimento das vendas permitiu à Multiplan aumentar os aluguéis enquanto reduzia o custo de ocupação devido a menores despesas comuns. Enquanto isso, segundo analistas, as despesas permaneceram em níveis controlados, garantindo a solidez do lucro antes impostos, juros, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) e do FFO (este último impulsionado por menores despesas tributárias).

O banco suíço vê a Multiplan como a administradora de shoppings mais bem posicionada para colher os benefícios da resiliência do consumo de alta renda e acredita que a companhia pode obter crescimento real dos aluguéis de forma mais fácil considerando o cenário de inflação potencialmente mais controlado.

Cabe destacar que o mês de fevereiro marcou uma mudança bastante simbólica, ainda que esperada. José Isaac Peres deixou a presidência da companhia após quase 50 anos, dando lugar a Eduardo Kaminitz Peres.

“Vemos a mudança como neutra, pois não esperamos mudanças estratégicas na gestão da empresa. Eduardo Peres já vinha atuando de maneira bem ativa na companhia durante os últimos anos, inclusive durante a pandemia, que foi um dos períodos mais desafiadores do setor. No entanto, essa troca acabou sendo antes do que nós esperávamos”, apontou a XP na ocasião.

Natura (NTCO3): alta de 5,29% com venda de ativos no radar

O noticiário sobre a possível venda da Aesop segue dando fôlego para as ações da Natura na Bolsa. A Aesop é a marca de luxo da fabricante de cosméticos brasileira. No fim do mês passado, a companhia afirmou que permanece avaliando a eventual venda de fatia na marca Aesop como uma das alternativas para financiar o “crescimento acelerado” da unidade e agregar mais valor à companhia e aos acionistas.

De acordo com análise da XP, a potencial venda total da Aesop seria transformacional para o valuation e alavancagem da empresa.

Se a Aesop for vendida por US$2 bilhões como noticiado por alguns veículos de mídia, os analistas estimam que o múltiplo de preço sobre lucro (P/L) de 2023-2024 cairia para 25 vezes e 15 vezes, enquanto a empresa se tornaria caixa líquido. Os analistas reiteram recomendação de compra e preço-alvo de R$ 22 por ação.

“Acreditamos que, se a Natura&Co vender 100% da Aesop, os investidores poderiam começar a questionar as ambições de longo-prazo da empresa, possivelmente trazendo a venda da The Body Shop (TBS) para a discussão. Apesar dos investidores atualmente atribuírem valor zero (ou negativo) para o ativo, acreditamos que a TBS possa ser um alvo atrativo para fundos de private equity com mandatos de reestruturação”, avaliam os analistas da casa.

Mas a venda de ativos não é o único catalisador à frente. Os analistas da XP esperam que os resultados do 4T22 da Natura, a serem divulgados em 13 de março, sejam marginalmente melhores, com tendências mais positivas em todas as unidades de negócio e um fluxo de caixa estimado em R$ 400 milhões.

“Além disso, esperamos que a companhia sinalize quais são os próximos passos quanto a otimização geográfica da Avon Internacional, uma vez que o breakeven dos mercados era esperado para o final de 2022”, aponta.

TIM (TIMS3): em alta de 3,99%

O fato de ser uma companhia defensiva em tempos turbulentos ajudou a TIM a registrar um dos maiores ganhos do Ibovespa no mês, ainda que eles sejam relativamente modestos.

A XP destacou em relatório que a TIM reportou resultados sólidos no quarto trimestre, em linha com suas estimativas.

A companhia registrou um lucro líquido normalizado de R$ 590 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22). O número é 23,2% menor do que o registrado em igual etapa de 2021. Já o Ebitda  ficou em R$ 2,930 bilhões no 4T22, um avanço de 19,6% sobre o mesmo período de 2021. O consenso Refinitiv apontava para lucro líquido reportado de R$ 444,87 milhões, queda de 56,17% em relação a um ano antes.

A receita de serviços cresceu 22% no trimestre na base anual em linha com os números da XP. Já a receita de serviço móvel (MSR) totalizou R$ 5,3 bilhões no 4T, crescendo 23% anualmente, enquanto a receita de telefonia fixa registrou um crescimento de 9%.

O Credit Suisse também ressaltou uma visão positiva para a companhia. “Vale ressaltar que a TIM atingiu ou superou todos os dados do guidance do ano e vemos o sell off recente como injustificado”, apontaram os analistas na ocasião, em 10 de fevereiro. Desde então, as ações se recuperaram.

WEG (WEGE3): resultados também guiam alta de 3% das ações

Também com uma alta tímida, mas representativa diante do mês bastante negativo do mercado, está a WEG. A fabricante de equipamentos elétricos registrou mais um trimestre positivo em meados do mês, mostrando uma ótima combinação entre rentabilidade e geração de caixa.

O BB Investimentos apontou que o processo de normalização na cadeia de suprimentos globais contribuiu para a preservação das margens operacionais em função da estabilização dos custos de matéria-prima, em especial o aço e cobre.

Além disso, em tempos de maior aversão ao risco de crédito, no ambiente doméstico, a WEG encerrou o ano de 2022 com caixa líquido de R$ 1,4 bilhão, destacando-se entre um seleto grupo de empresas com capacidade de alavancagem financeira para capturar oportunidades em aquisições estratégicas ou até mesmo para otimizar sua estrutura de capital. Adicionalmente, a estratégia de verticalização, diversificação de produtos e presença global da WEG mitiga os riscos advindos das incertezas do cenário global, afirmam os analistas.

Contudo, a dúvida sobre se a ação está em patamares justos ou se há mais espaço para os ativos subirem seguem no radar dos analistas de mercado, que possuem as mais diferentes visões sobre WEGE3. De acordo com levantamento feito pela Refinitiv com casas de análise, de 15 casas que cobrem o ativo, a maior parte segue com recomendação de compra (9), mas um número significativo tem visão cautelosa (com 5 recomendando manutenção e 1 recomendando venda).

Por outro lado, o Bradesco BBI segue com recomendação “apenas” neutra para WEGE3 e preço-alvo de R$ 39 para 2023 (queda de 1,26%). “Essa recomendação se deve, basicamente, ao atual valuation esticado, uma vez que as ações negociam com um múltiplo EV/Ebitda [valor da empresa sobre o Ebitda] de 24,6 vezes para 2023, 31% acima de sua média histórica”, aponta.

Apesar de seguir com essa recomendação de olho no valuation, os analistas do BBI ressaltam que, embora esperem algum impacto da desaceleração econômica na Europa, notam que a WEG tem a opção de alocar a produção entre suas plantas globais como Brasil e China. A companhia também conseguiu ganhar participação no mercado externo em um cenário de problemas da cadeia de suprimentos no ano passado, graças à sua estrutura verticalizada.

Confira as maiores altas do Ibovespa em fevereiro:

EmpresaTickerPreçoVariação percentual
São MartinhoSMTO3R$ 27,20+ 8,76%
MultiplanMULT3R$ 25,17+5,80%
Natura&CoNTCO3R$ 15,32+5,29%
TIMTIMS3R$ 12,26+3,99%
WEGWEGE3R$ 39,16+3%

Lara Rizério

Editora de mercados do sportingbet, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.

sportingbet Mapa do site